You are currently browsing the category archive for the ‘poeteiro’ category.

Eu quero pouco.

Quero quase nada,

por sinal.

 

Talvez meu tudo

seja um nada-fragmento

daquele réles inteiro

que insiste

em me negar.

Anúncios